Como evitar a ocorrência de crimes digitais e desproteção de dados dos clientes?

Como evitar a ocorrência de crimes digitais e desproteção de dados dos clientes?

Em artigo anterior foram elencados os problemas legais envolvendo crimes e danos pessoais e empresariais mais comuns no ambiente digital: phishing, malware, vírus e vazamento de dados.

O caminho da prevenção dos crimes e danos decorrentes dos incidentes acima destacados passa necessariamente pela da educação dos usuários, monitoração de dispositivos, instituição de planos de controle, mapeamento e segurança de dados.

Contratar um profissional do direito especialista em proteção de dados e direito digital para realizar o data mapping e o plano de adequação das atividades da empresa em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados é o caminho que a legislação brasileira preconiza para evitar os incidentes que acabam por vazar e desproteger os dados dos clientes.

Através do vazamento de bases dados de clientes as fraudes se avolumam no ambiente digital, representando um dos maiores problemas cibernéticos da atual sociedade orientada por dados, pois conforme já exposto, há uma vulnerabilidade que permite desde o sequestro de informações até a prática de golpes tomando como base o crime de falsidade ideológica.

Segundo um estudo do Serasa Experian de Tentativas de Fraude, realizado em 2017, a cada 16 segundos uma tentativa de incidente criminoso é registrado no Brasil, o que revela a urgência às empresas em proteger o negócio contra tais prejuízos que, além de impactarem significativamente nas operações, maculam a reputação do negócios e podem implicar em danos diretos aos seus clientes.

                Os impactos que um incidente de segurança da informação no ambiente digital pode gerar às empresas já foi medido por meio da Pesquisa Global de Fraude e Identidade da Serasa Experian, realizada no ano de 2019. Segundo este estudo, o aumento de prejuízos financeiros, danos de imagem e reputação são os impactos mais expressivos em qualquer negócio que opere no meio digital.

                Não é demais registrar que além dos riscos destacados as empresas que operam no ambiente digital também podem ser vítimas de compras fraudulentas, por meio de pagamentos que utilizam meios inidôneos (falsidade ideológica, cartões clonados),o que demanda uma especial atenção ao fluxo de pagamentos quando da ideação do negócio.

O mapeamento dos dados no plano de adequação à Lei Geral de Proteção de Dados faz parte do caminho de prevenção aos incidentes e fraudes, porque dará visibilidade durante a operação aos momentos de coleta, tratamento e exclusão de dados, eliminando tempo de identificação dos problemas quando ocorrerem, posto que a gestão dos dados permite a identificação das falhas operacionais e dos incidentes facilitando o processo de correção.

*Alina Swarovsky Figueira

Advogada com MBA em Desenvolvimento Gerencial

Especialista em Direito Constitucional e em Direito Digital e Proteção de Dados